10.04.05
Penso que todos vós já andaram de autocarro, pelo menos uma vez na vida.
Pois.
Se já vos haveis sentado nos bancos traseiros, decerto já tereis admirado os inteligentes escritos deixados pela juventude imberbe e apaixonada, como "Joana love Zezé", ou "Ermengarda love ___", ou até mesmo "I love Umbelino". Depois temos, embora menos frequentes, os números de telemóvel com mensagens apelativas ao lado, fazendo supor às mentes menos atentas que, por detrás da mão autora daqueles dízeres, está alguém muito necessitado, quando na realidade o objectivo é gozarem com o dono daquele número.
Mas a coisa fica melhor! E quando começam as "peixeiradas" nas paredes dum autocarro? Quando se vê uma linha aa injuriar pessoa A, depois A risca essa linha e responde tão ou mais educadamente que a anterior, e nunca mais saímos daqui? As coisas que eu já vi em tais sítios, confesso, já me colocaram muitas vezes um sorriso parvo na cara. Algumas delas chegam a roçar o sublime. Mas só a roçar (infelizmente, não tenho exemplos para demonstrar este último caso. Mas também, não queria subir muito o nível deste post...).
O que, se formos a ver, não é muito diferente do que passa nos rodapés de certos canais musicais (existentes ou defuntos); só que, aí, a peixeirada é, infelizmente, inexistente. No entanto, pode-se afirmar, com alguma segurança, que a origem de tais rodapés vem das paredes dos autocarros. É a teoria que deixo no ar desta vez.

Boas escritas.

(Uma nota: com este post ficou definitivamente provado que estou criativamente morto. Passo a vida a reclamar, "ah, e tal", mas ainda vou escrevendo alguma coisinha. A verdade é que me espremi todo para fazer este texto, e não ficou nada do que eu queria. Como dizia o Camilo Chumbinho, "A vida 'tá difícil... PSSSSSSS!")
disfunção original de Rodolfo Dias às 00:07

Este web-log não adopta a real ponta de um chavelho. Basicamente, aqui não se lê nada de jeito. É circular, c...!
Abril 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


vasculhar
 
Disfunções mais velhas que a sé de Braga
2018:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


origem
subscrever feeds
blogs SAPO