29.01.11


Para quem me conhece, sabe que há coisas que, a mim, me fazem ferver o sangue. E, andando eu por fóruns ferroviários, uma dessas mesmas coisas acaba por ser, basicamente, quem constitui a comunidade entusiasta portuguesa. Os entusiastas em si.


 


O entusiasta português é um agarrado e quer ser o maior do bairro dele. Se formos aos fóruns ferroviários espanhóis, franceses, alemães e afins, encontramos lá fotos antigas, documentos históricos, e o mais, disponíveis um pouco para todos. Em Portugal, existem fóruns ferroviários aos pontapés, onde tudo está escondido (e aqui, contra mim falo, pois sou administrador dum que faz isto mesmo - pela razão que explico no ponto a seguir) - fóruns esses que foram sendo criados por querelas internas, conflitos e birrinhas. E este comportamento não se restringe só aos fóruns - até mesmo nas associações de entusiastas isto acontece. Mas adiante. O entusiasta português gosta de ter um baú onde coloca as suas fotos, onde as guarda leguisiosamente, quais tesouros, para construir o seu livro de memórias - ou apenas para as ter guardadas e a ganhar pó.


 


O entusiasta português gosta que os outros façam o trabalho dele. Gosta de copiar fotografias, dados e outas coisas de livros e dos próprios fóruns ferroviários sem sequer se importar em manter as fontes ou até mesmo esforçando-se por ocultá-las - razão pela qual, em Portugal, se "blindam" as coisas mais importantes e antigas.


 


O entusiasta português é um "velho do Restelo". Quer comboios a circular mesmo que não hajam pessoas para andar neles, defende ligações absolutamente despropositadas nem nunca as ter utilizado, acha que "isto era bom era no tempo do vapor" e abomina todas as modernices, TGV's e afins. Abomina também quem tem uma opinião contrária, porque "eu é que sei", e "os rapazolas de agora não sabem nada de comboios".


 


O entusiasta português só se mexe por sede de protagonismo. Ainda me lembro duma história que aconteceu com o passeio da 2501 à Barquinha, em Outubro de 2009. Houve um maquinista da CP que andou muito envolvido com a locomotiva, com o processo de adopção dela pelo MNF, com a troca de pantógrafos. A partir do momento que ele não foi o maquinista designado para o passeio, será que se mexeu mais alguma vez por causa dela? Resposta difícil...


 


Por isso, apesar de estar inserido nesta comunidade, não me revejo nela. Não defendo o comboio irracionalmente, preferindo muito mais uma discussão fundamentada, assente em factos actuais. Por isso, não me considero entusiasta. Prefiro demarcar-me deste grupo de gente e ser um "rapazola que não sabe o que é um comboio". Enfim.

disfunção original de Rodolfo Dias às 16:06
 O que é?

Não vou atirar uma pedra ao que disseste, porque concordo contigo. :)
Infelizmente, estamos rodeados de uma espécie de entusiastas, que andam embrenhados numa luta desenfreada, a ver quem é o melhor naquilo que faz...
Isabel Lopes a 24 de Março de 2011 às 14:56

Twitter button
Este web-log não adopta a real ponta de um chavelho. Basicamente, aqui não se lê nada de jeito. É circular, c...!
Twitter
enviar spam
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28

30
31


vasculhar
 
Disfunções mais velhas que a sé de Braga
2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


Networked Blogs
origem
blogs SAPO